Veja as empresas escolhidas pelo tradicional relatório de final de ano do CB Insights

Os anos “20″ começaram e as expectativas para o ecossistema de inovação são cada vez maiores. A tradicional lista de apostas do CB Insights reflete essa ambição em torno das startups.

Em 2020, as tendências ficarão em negócios que fazem jus ao termo futuro. São startups das áreas como criptografia quântica, edição genética e energia limpa.

Abaixo, confira mais sobre as 36 empresas listas no relatório da entidade:

Chips na velocidade da luz

AyarLabs

Fundada em 2015 nos Estados Unidos, a AyarLabs se especializou em criar chips de alta tecnologia para o mercado de computação. A empresa ganhou investimento da Intel Capital e do Globalfounries. A empresa promete entregar chips até mil vezes mais produtivos que os usados hoje no mercado.

LightMatter

LightMatter é uma startup de hardware que usa fótons para criar processadores mais eficientes e rápidos. A empresa ganhou a atenção de gigantes como a Alphabet, holding que controla o Google.

Luminous

Investida por Bill Gates, a Luminous tem como principal objetivo criar um “superchip” capaz de substituir até 3 mil chips tradicionais. A ideia é usar principalmente no desenvolvimento de inteligência artificial. Em seu site, a empresa afirma: “Treinar inteligência artificial não deveria ser uma tarefa de dias mas, sim, de minutos.”

Criptografia quântica

SpeQtral

Considerada uma spacetech, a SpeQtral desenvolve sistemas de comunicação quântica para engenharia espacial. Com propriedade intelectual registrada na Universidade Nacional de Cingapura, a empresa espera abrir escritórios nos Estados Unidos e lançar produtos comercialmente em 2020.

Isara

A Isara é uma startup de cybersegurança voltada para computação quântica. Pretende ajudar governos e empresas a migrar seus sistemas para a nova era dos computadores, sem criar com isso problemas de compatibilidade ou privacidade.

Crypto Quantique

A Crypto Quantique usa técnicas avançadas de criptografia e física quântica para desenvolver tecnologias de cybersegurança para internet das coisas. A startup opera em Londres, na Inglaterra.

Transparência em inteligência artificial

KYNDI

A KYNDI oferece produtos de prevenção de risco para empreendedores. A ideia é ajudar empresas na luta contra fraudes ou ataques no ambiente digital. “Queremos que a cybersegurança seja simples e fácil de entender”, diz a startup em seu site.

Fiddler

A Fiddler tenta democratizar a inteligência artificial. “Acreditamos que é possível permitir a empresas entender e confiar nas soluções que estão colocando em seus negócios”, diz o site oficial.

Darwin AI

Baseada no Canadá, a startup Darwin AI fechou uma parceria com pesquisadores da Universidade de Waterloo, em Ontário, para ajudar empresas e pessoas a entender como funciona o conceito de “deep learning”. A ideia é explicar porque uma rede de inteligência artificial toma determinadas decisões.

Edição genética

Shape Therapeutics

A Shape Therapeutics é uma startup de biotecnologia voltada ao tratamento de doenças degenerativas usando edição genética. Tem base em Seattle, nos Estados Unidos.

Locana

A startup americana Locana usa uma plataforma para atuar especificamente com a molécula RNA. O objetivo é tratar doenças degenerativas com a edição da própria molécula.

Korro Bio

Como as outras duas startups do setor de edição genética, a americana Korro Bio afirma que alterar moléculas humanas é uma boa forma de tratar doenças. Seu foco também está centrado na RNA.

IA em proteínas

Relay Therapeutics

A Relay Therapeutics foi fundada em 2015 com a premissa de usar inteligência artificial para alterar a estrutura de proteínas e criar novos tipos de remédios. Tem sede em Boston, nos Estados Unidos.

ProteinQure

A ProteinQure usa inteligência artificial para desenvolver novos remédios a partir de proteínas. “Nossa missão é ajudar a criar um mundo em que drogas não são descobertas, e sim criadas sob demanda”, diz o site da empresa.

LabGenius

A LabGenius é uma startup inglesa que usa machine learning para analisar proteínas e desenvolver remédios específicos para cada paciente.

Impulsos elétricos na medicina

Theranica

A Theranica desenvolve produtos “vestíveis” para tratar pacientes com dores. Em seu site, a empresa afirma usar neurociência com expertise tecnológica.

Setpoint Medical 

A Setpoint Medical é uma startup fundada em 2007, na Califórnia. Usa impulsos elétricos para tratar pacientes com doenças autoimunes.

Cala Health

A startup também usa neurociência e aparelhos vestíveis para tratar doenças crônicas. Com um tipo de “relógio”, a empresa tem como foco principal os “tremores de mão”.

Microbiomas na medicina

Kallyope

Fundada em Nova York, a Kallyope é uma startup de biotecnologia que oferece soluções de sequenciamento genético, biologia computacional, imagens neurais e biologia molecular para criar novos remédios.

Pendulum

A Pendulum usa microbiomas humanos – conjunto de bactérias, fungos e vírus – para desenvolver probióticos medicinais. A startup ganhou investimentos de fundos como Sequoia e o apoio de empresas como Johnson & Johnson.

Viome

Para criar soluções personalizadas, a Viome estuda microbiomas de maneira individual.  A partir dessas informações, a startup desenvolve dietas e sugere boas práticas de saúde de forma personalizada. “Nós só recomendamos o que é melhor para você”, diz a empresa no site oficial.

Compostos psicodélicos para tratamento de doenças

Compass

A Compass é uma startup especializada no uso da Psilocibina no tratamento de pacientes que sofrem com problemas de saúde mental. A empresa realiza testes em clínicas da Europa e da América do Norte com pacientes com depressão.

MindMed

A MindMed usa drogas psicodélicas no tratamento de doenças. Além da Psilocibina, a empresa também faz estudos com LSD para o tratamento de pessoas viciadas em drogas como cocaína, metanfetamina e álcool.

Small Pharma

Com base em Londres, Inglaterra, a Small Pharma se especializou em ajudar pesquisadores desse campo da medicina a realizar testes mais ágeis. A ideia é acelerar a relação entre a academia e o prática médica.

DNA digital

Luna PBC

“O futuro da saúde depende dos seus dados”, diz o site da empresa. A startup criou uma plataforma na qual qualquer pessoa pode se cadastrar para ceder seus dados biológicos para pesquisas e empresas. Os dados ficam anonimizados no banco da startup.

Nebula Genomics

A organização oferece a possibilidade de pessoas estudarem e aprenderem mais sobre o seu próprio DNA. Com a plataforma, é possível checar histórico familiar, riscos de doenças e ancestralidade.

Sano

Via aplicativo para smartphone, a Sano permite aos usuários acessar dados atualizados sobre seu DNA. Assim, diz a empresa, as pessoas podem escolher dietas e atividades físicas customizadas, com base nas recomendações do sistema.

Captura de carbono

Carbon Engineering

Fundada em 2009, a Carbon Engineering não quer apenas reduzir as emissões de CO2 — mas, sim, tirar da atmosfera as emissões passadas. A empresa desenvolveu uma instalação capaz de capturar até um milhão de toneladas de CO2 por ano. “É possível deixar um mundo como o nosso para as futuras gerações”, diz a empresa.

Kiverdi

A Kiverdi usa CO2 capturado da atmosfera como matéria-prima de produtos inovadores. Um deles – o mais impressionante – é a “proteína à base de ar”.

Opus 12

A Opus 12 é uma startup do Vale do Silício que quer revolucionar a forma como a indústria usa o carbono. A ideia dos empreendedores é utilizar um processo chamado “conversão” para transformar o CO2 em produtos como combustíveis. A empresa é parceira da Nasa.

Energia nuclear limpa

Commonwealth Fusion Systems

Essa startup quer criar energia limpa a partir de fusão nuclear. Para isso, fechou uma parceria com o MIT para acelerar suas pesquisas.

Terrestrial Energy

Fundada em 2013, a Terrestrial Energy aposta no uso de energia nuclear para um futuro mais limpo. A empresa tem como foco desenvolver reatores mais produtivos e seguros.

Logística sustentável

Einride

A logtech quer popularizar os caminhões autônomos elétricos para o trabalho de logística. A startup sueca fechou parceria com empresas como a Coca-Cola.

Nautilus Labs

A Nautilus Labs ajuda grandes empresas no mapeamento inteligente de navios em rotas marítimas, com equipamentos e inteligência.

Sabrewing

A Sabrewing quer criar aeronaves mais leves, personalizadas para o mercado de logística. A empresa fez um protótipo, mas não tem previsão de operar comercialmente.

Fonte: Época Negócios

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui