Home Artigos As casas de papéis

As casas de papéis

23

Você já ouviu falar na série da Netflix chamada “La casa de Papel”? Até Silvio Santos disse no seu programa do SBT que está acompanhando a produção espanhola.

O seriado virou fenômeno de audiência e podemos aproveitar o enredo para traçar um paralelo ao ambiente corporativo: o líder, os colegas de trabalho (cada um no seu cargo e desempenhando sua função), o plano (foco) a ser alcançado, o cenário externo (com as adversidades) e as estratégias e ações para contornar os imprevistos durante a execução.

Na trilha da série

Eu não sou fã de séries, confesso! Pois quando a gente começa a entender e gostar do enredo finaliza a temporada e aí tem que esperar um tempão pra reiniciar. Aí tem seriados que têm um monte de temporadas e é uma ansiedade esperar.

Por algum motivo comecei a assistir e logo de início achei chato tratar-se de um assalto à Casa da Moeda em Madri (Espanha). Entretanto, depois do final do primeiro episódio eu já havia sido seduzida! Já não era mais possível viver sem acompanhar o desenrolar da trama e olha que trama, viu?!

A primeira temporada já terminou e dizem que serão apenas duas. A segunda começará em 06 de abril. Então muita coisa ainda será explicada ou ganhará outra abordagem.

Nove homens e um assalto

Tudo começa com o plano audacioso elaborado pelo estrategista e ator principal que, na série, é chamado apenas de “professor”. Ele é o líder.

O professor contratou oito “foras da lei” (bandidos, assaltantes e afins) que não tinham muito a perder na vida para se trancarem na Casa da Moeda e realizarem o maior roubo da história, subtraindo nada menos que 2,4 bilhões de euros.

Para não criar intimidade e nem revelar a identidade eles adotaram nomes de cidades ao redor do mundo. Tóquio, Nairóbi, Helsinque, Moscou, Rio (sim o de Janeiro), Berlim, Denver e Oslo integram o time.

Cada um contribui com uma habilidade específica, mas que – juntas – são determinantes para o sucesso da empreitada. Uma equipe de sucesso!

Loucademia de ladrões

Para que tudo ocorresse dentro dos conformes, o professor manteve-se durante cinco meses antes do roubo com os oito integrantes numa casa em Toledo, cidade espanhola.

Tempo investido para conhecer as personalidades, habilidades e talentos de todos. Integrando e treinando (detalhadamente) a equipe para o dia do assalto. O professor foi o único que não entrou na Casa da Moeda e ficou comandando de fora, por meio de câmeras e demais aparatos.

O poderoso planão

Como num processo fabril, o plano foi milimetricamente elaborado e contava com a otimização de recursos, inclusive com a força de trabalho de 67 reféns, entre funcionários e visitantes (incluindo a filha do ministro britânico, coringa na manga) para ajudar na produção da grana.

Pelos cálculos do professor era preciso que o time permanecesse onze dias presos na Casa da Moeda para fabricarem os mais de 2 bilhões de euros. Para disfarçar, arrastariam o assalto simulando que esse tempo seria decorrente da negociação entre bandido e polícia.

Pensar, planejar e roubar

O plano parecia perfeito! O professor estudou anos a fio cada detalhe. Ele conhecia como ninguém o “seu negócio”. Estudou o cenário e cada ação, se antecipando a cada movimentação dos agentes da força de elite da polícia.

Aliás, o professor via o plano como perfeito, pois não iria roubar o dinheiro de ninguém e nem derramar uma gota de sangue!

Onde as mulheres têm vez

É importante notar o desempenho das mulheres (mesmo sendo minoria) e o espaço relevante a elas concedido, o que nem sempre acontece nas organizações. Inclusive um dos papéis de maior destaque ficou para Raquel, a inspetora policial responsável pela negociação.

O curioso e imprevisível caso da mente

Mas, como o ser humano não é máquina e não controlamos todas as variáveis é claro que os imprevistos e o lado psicológico seriam o tempero e recheio da trama.

Falhas, julgamentos precipitados e errôneos, soluções equivocadas, interesses pessoais acima do coletivo, erros de cálculos e mais um monte de coisas dão um sabor especial a La Casa de Papel, e acabamos nos identificando com os ladrões. Não em virtude do roubo, mas porque a gente quer que o plano do professor dê certo!

Apaixonados

Mas, o ingrediente mais picante adicionado à trama foi a paixão. Afinal, o professor acaba se interessando por ninguém menos que a inspetora Raquel, braço direito da polícia! Pois é – justamente – ele que queria ser tão imparcial…

Ele não contava com esse envolvimento. Mas, ela, mesmo não sabendo que ele era ele, já que o professor se fazia passar por um homem comum, sentindo-se carente, passando por problemas pessoais, acaba se envolvendo afetivamente pelo líder dos assaltantes.

Outro par amoroso é formado entre a secretária do diretor da Casa da Moeda e o próprio, inclusive no dia que ela iria revelar que ele seria pai de um filho dela, aconteceu o roubo. O problema é que o diretor é casado e tem filhos.

Ainda há o caso explosivo entre Tóquio e Rio, a paixão não correspondida do inspetor Àngel por Raquel, que acaba causando mal estar no relacionamento profissional e ainda Berlim, que é o chefe na Casa e usa seu posto (cargo) para seduzir e chantagear as reféns.

Enfim, acontecem várias situações na esfera pessoal que acabam impactando na profissional (no andamento do plano) e então podemos repensar nossa atuação no trabalho focando nessa linha divisória.

Analisar até que ponto estamos realmente comprometidos com o sucesso das nossas empresas, já que podemos – às vezes – colocar nossos interesses pessoais acima dos profissionais. E, principalmente, observar de que forma os envolvimentos afetivos no trabalho podem interferir na performance da organização.

Mas se você já assistiu e aguarda a segunda temporada assim como eu, vou arriscar o palpite que o cenário encontrado por Raquel, no final da temporada, foi, previamente, montado detalhadamente pelo professor (provavelmente ele deixará algum indício).

Aliás, adorei a associação sutil entre o título do seriado, referindo-se à casa das notas de dinheiro, e o final do último capítulo em que os agentes da polícia invadem a casa de Toledo, encontrando todos os papéis (plano) na parede. Seria a outra La Casa de Papel?

Cristina Monte
Cristina Monte é jornalista, especialista em Comunicação Empresarial (Cásper Líbero), Responsabilidade Social (FUCAPI) e em Divulgação Científica em Saúde na Amazônia (FIOCRUZ-AM). Além disso, Cristina é graduada em História pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). É articulista-convidada e colunista da Coluna Mai$ Negócio$, do Jornal do Commercio e apresenta as notícias da Coluna no AmazonPlay TV Digital. Atualmente, além dos projetos mencionados, a jornalista atua como assessora de Imprensa, palestrante e estuda o curso de Coaching.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui