O que estamos experimentando, com o distanciamento social para enfrentar a Covid-19, é a evolução de um modelo de trabalho que, provavelmente nos nossos planos, chegaria somente em alguns anos. Por quê? Porque não tínhamos “coragem digital”.

O que aconteceu nos obrigou, da noite para o dia, a mudar a forma de trabalhar e de nos relacionar com colaboradores e clientes. E nós, executivos, temos que fazer mea-culpa, porque não era uma questão tecnológica, pois tudo está funcionando. Era um problema do nosso medo de dar esse passo. É o medo da inovação e do que é incerto, que é também o álibi para não avançar.

A coragem digital será o maior legado da Covid-19 para o setor empresarial. Trata-se da capacidade de enfrentarmos os receios em fazer uso de ferramentas digitais que a tecnologia já oferece, mas que víamos como soluções menos eficazes, simplesmente por não termos experimentado.

Essa crise trouxe a oportunidade para que diversos setores pudessem inovar rapidamente para continuar garantindo o atendimento aos clientes e a continuidade dos negócios.

Pietro Labriola, CEO da TIM Brasil. Foto: Ismar Ingber

A urgência do isolamento social produziu mudanças rápidas no trabalho

Em situação normal, uma grande empresa que quisesse migrar milhares de funcionários para o sistema de home office, levaria de dois a três anos. Seriam meses para chegar ao consenso e à tomada de decisões dos executivos, seguidos por meses de estabelecimento de planos e processos, e outros meses de testes e treinamentos.

No entanto, a urgência da adoção do distanciamento social reduziu esse tempo para até três dias, como ocorreu com os colaboradores de gestão de rede e de call center em nossa companhia.

Um possível mea-culpa para nós, executivos, é que devemos ter coragem para cobrar que nossos times sejam mais inovadores. Enquanto a inovação não vem debaixo para cima, tem que chegar de cima para baixo. E seria preferível que chegasse da visão dos executivos e não de um contexto emergencial externo.

Muitas coisas já evoluíram de forma irreversível e não voltarão como antes do Covid 19. A imersão na tecnologia já migrou funções e atividades operacionais num contexto cada vez mais digital e remotizado. Mas o relacionamento presencial com os clientes certamente continuará e, no setor de telecom, será muito mais de consultoria, para propor ofertas e soluções que proporcionem a melhor experiência de uso para os consumidores.

Coragem digital e mudanças nas relações de trabalho

A adoção em massa do home office nos leva a crer que o período pós-crise será marcado por uma consciência maior sobre a necessidade de equilibrar a vida privada e o trabalho. Qual é o valor de não perder tempo no deslocamento entre a casa e o escritório? Se pensarmos em um gasto de uma hora e meia, estamos falando, em média, de cerca de 10% das nossas vidas.

Para que esse novo ambiente de pessoas e máquinas trabalhando remotamente opere em seu pleno potencial, o 5G será o elemento essencial. Se a tecnologia já estivesse em uso, teríamos soluções de telemedicina ou de ensino a distância, duas das áreas de extrema importância.

O 5G não é apenas um recurso para as operadoras de telecomunicações. É um fator habilitante para o crescimento da economia e o desenvolvimento de novos modelos de negócios. E, mais uma vez, a coragem digital irá se tornar determinante para iniciarmos uma nova era tecnológica.

Pietro Labriola, CEO da TIM Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui