Foi difícil acreditar quando Whindersson Nunes, youtuber mais famoso e engraçado do Brasil, revelou que estava com depressão! Parece contraditório ou mesmo sem sentido como alguém com tanto senso de humor, famoso e rico possa ter “depressão”?! Mas, o que a gente quase nunca percebe é que na vida real, escondidos atrás de muitas mesas no escritório, os simples mortais carregam a doença psiquiátrica e nem se dão conta do que se trata ou têm dificuldade em buscar apoio emocional e tratamento médico.

O mal do século

Não é de agora que a doença é considerada como “mal do século”. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil a doença atinge 5,8% da população. Essa taxa está acima da média mundial que é de 4,4%. Pior! A OMS prevê que pelo menos 30% da população global irá desencadear algum episódio de depressão em dado momento da vida! Só no Brasil anualmente são diagnosticados 2 milhões de casos de depressão. E falar sobre esse assunto ainda é um tabu que a gente precisa derrubar. Frescura, falta do que fazer ou querer chamar a atenção são expressões carregadas de preconceitos e que só contribuem para propagar a ignorância, aumentando o receio de quem precisa pedir ajuda!

Nem tão feliz

Numa sociedade cada vez mais preocupada e atenta às aparências das postagens felizes e perfeitas dos demais nas redes sociais, as pessoas sujeitas à depressão não encontram seu lugar nem na internet e nem dentro de si. Aliás, até o diagnóstico do transtorno pode ser difícil de ser diagnosticado, já que pode estar ligado à genética, por exemplo. Às vezes, é um sofrer que grita pra alma e não encontra eco na mente, somente dor no coração!

Pra ontem

No trabalho, as rotinas exaustivas como forma de evitar o monstro do desemprego, a cobrança e a pressão por resultados cada vez mais difíceis de serem alcançados, e o estresse diário de uma vida super atribulada são aspectos que incidem na saúde mental e podem funcionar como gatilhos para a depressão.

Nesse cenário é muito importante que os RHs das companhias estejam atentos às possíveis mudanças no comportamento dos colaboradores e possam intervir para auxiliar no tratamento da doença. É fundamental manter um ambiente acolhedor, com ações e iniciativas que elevem o clima organizacional e, com isso, o bem-estar a qualidade de vida dos profissionais.

Todos nós estamos sujeitos à depressão! Nem sempre a grama do quintal do vizinho é tão perfeita como imaginamos. Ficar triste faz parte da vida e é algo com prazo de validade, mas depressão é coisa séria e requer diagnóstico, tratamento e amor, muito amor!

Cristina Monte
Cristina Monte é jornalista, especialista em Comunicação Empresarial (Cásper Líbero), Responsabilidade Social (FUCAPI) e em Divulgação Científica em Saúde na Amazônia (FIOCRUZ-AM). Além disso, Cristina é graduada em História pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). É articulista-convidada e colunista da Coluna Mai$ Negócio$, do Jornal do Commercio e apresenta as notícias da Coluna no AmazonPlay TV Digital. Atualmente, além dos projetos mencionados, a jornalista atua como assessora de Imprensa, palestrante e estuda o curso de Coaching.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui