Planejamento Estratégico para retomada pós pandemia – Mercado Nacional e Internacional

Em toda crise, uns choram e outros vendem lenços. Com a otimização do trabalho remoto, já estamos do lado dos que vendem lenços e assim transformando pandemia em oportunidade.

Estamos no olho do furação, no ápice da crise, no pico da pandemia no Amazonas, as notícias são alarmantes e mudam cenários em todo o mundo. As necessidades mudando completamente o perfil do consumo e do consumidor, abrindo enormes possibilidades e em todos os segmentos e ainda, as formas de negociar, produzir, precificar, identificar e acessar mercados.

Redescobrimos que juntos somos mais fortes, e que sairemos vencedores mas, desde que amparados por recapacitação onde aprender, reprender e desaprender será uma constante. Estamos vivendo momentos que nossa experiência e acompanhamento do cenário atual provocam perguntas como: Quais os maiores desafios dos profissionais que estão trabalhando remotamente e como as redes estão colaborando?

Empreendedorismo e Comércio Exterior

Incentivar o empreendedorismo é também incentivar o comércio exterior e nesse tempo de pandemia estamos assistindo um movimento do governo para proibir exportações de produtos hospitalares ligados a pandemia, e ao mesmo tempo liberando a entrada de medicamentos para o corona vírus praticamente sem impor restrições por nosso país.

Como você vê esse panorama para o futuro e quais impacto você vislumbra? Estamos no meio de uma revolução mundial no comportamento e no consumo.  O que a economia compartilhada tem a ver com essa nova revolução e para que ela serve? Qual a diferença entre economia compartilhada e economia colaborativa quando se fala na nova forma de aquisição de bens e serviços no mundo?

Hoje quero abordar esse conceito de crise e oportunidade no mercado interno e externo, como podemos nos adaptar e adaptar nossos recursos humanos para terem visão e atitude empreendedora, focando na transformação digital, na importância do networking, na visão empreendedora e nas tendências e oportunidades.

O cenário brasileiro é favorável ao empreendedorismo

Como empreendedor ou empresário, você não gere variáveis macroeconômicas, você gere um grupo de pessoas. É saudável participar da discussão da crise, mas não levá-la para a empresa.

Aproveitar o potencial brasileiro de baixa competitividade é indicado. Aproveite a oportunidade para crescimento, tem vários problemas que ainda não foram resolvidos e no Brasil há um menor contingente de pessoas tentando atingir os mesmos mercados.

Os riscos não necessariamente são agravados em um momento de crise. O empreendedor só tem que se preocupar com uma coisa: não ter caixa.  De forma bem básica, estratégia é alocação de recursos: gente e dinheiro. Redução de gastos e evitar desperdícios. A criação de uma cultura organizacional que permite a inovação é um processo constante.

A transparência e a apresentação de ideias

Quanto mais as pessoas sabem o que é esperado delas, mais eficiente é o processo. Você precisa deixar tudo bem transparente. A pessoa se sente “autorizada” a correr riscos e não tem medo de apresentar as ideias. Olha aí o exemplo das oportunidades aulas remotas!

Todo mundo se pronuncie pois a sua cara não está sendo mostrada. Às vezes, as pessoas confundem atitude empreendedora é uma característica típica de pessoas que têm coragem para assumir riscos e grandes responsabilidades, com Visão empreendedora, que é um comportamento de quem busca soluções para os seus conflitos e que enxerga oportunidades onde os demais não percebem.

Visão empreendedora em momentos de crise

Atualmente não basta ser empreendedor, é necessário possuir a visão empreendedora. Ter visão é exatamente ver o que a maioria não enxerga.

Na prática, ter uma visão e atitude empreendedora é criar oportunidades e não existe melhor oportunidade de você se testar durante uma contingência, ou quando ocorre mudança brusca ou uma alteração importante. Essas alterações podem ser físicas ou simbólicas.

Crise também é uma situação complicada ou de escassez, como está acontecendo no momento como resultado da Covid-19, temos crises sociais, econômicas, políticas, ambientais, raciais, onde podemos ao invés e entrar na zona de conforto ou na zona de desespero criar oportunidade surgidas na nova conjuntura e a conveniência temporal e espacial.

O termo oportunidade serve para definir o momento ou a ocasião propícia para fazer ou aproveitar algo. Criar ou fazer não só produtos ou serviços mas também os meios que possibilitem sua viabilidade.

Trazendo esse Impacto da crise do novo Coronavírus para o Comércio Exterior

Os efeitos da pandemia ainda não aparecem nas estatísticas do comércio exterior. Um estudo divulgado no website da Organização Mundial do Comércio (OMC) estima que a queda no comércio mundial variará entre 12,9% (cenário otimista) e 31,9% (cenário pessimista).

O último dado divulgado, de março, mostra que o superávit foi de US$ 4,7 bilhões, acréscimo de US$ 417 milhões em relação ao resultado apontado no mesmo mês de 2019. O gráfico acima mostra que desde outubro as exportações estavam recuando Na variação mensal entre 2019 e 2020, à exceção de dezembro, quando ficou estagnada.

As importações, por outro lado, vinham aumentando, desde dezembro. No estudo da OMC é ressaltado que o comércio mundial já estava em ritmo de desaceleração, desde 2019 em função das tensões comerciais entre EUA X China, quando o comércio mundial recuou 0,1%.  O último dado divulgado, de março, mostra que o superávit foi de US$ 4,7 bilhões, acréscimo de US$ 417 milhões em relação ao resultado apontado no mesmo mês de 2019.

Mesmo na comparação entre o primeiro trimestre deste ano com o do ano anterior, o impacto não foi grande: diminuição do superávit de US$ 9 bilhões para US$ 5,6 bilhões nos primeiros três meses de 2020. Uma das razões atribuídas a essa queda pode ser o fato de que os contratos de exportação são de longa duração, o que demora para ser afetado por questões estruturais.

Os reflexos da economia atual pode levar ao fechamento de empresas, gerando demissões especialmente nas micro e pequenas empresas. Veja abaixo as previsões, necessidades e sugestões que apresentamos para refletirmos.

Previsões Necessidades

Providências
73% das empresas não conseguindo arcar com seus compromissos, o que pode gerar 25% de desempregados. Manutenção dos acordos firmados pelas entidades de classe e sindicatos com acertos coletivos e colaborativos que garantam o emprego na medida do possível; – preservação dos postos de trabalho.

– criação de novos negócios

 

Medidas do governo federal, estadual e municipal provisórias e/ou definitivas, com compromisso de manutenção de renda mínima que levará a impactos coletivos, mas garante a essência e o equilíbrio entre os direitos sociais, ambientais, a busca do empreendedorismo e da inovação, a manutenção das empresas e geração de empregos e renda, e a possibilidade de acesso a novos mercados.

Fonte: Café com Comex 30.04.2020/Marinho Comércio Exterior.

Impacto do coronavírus no Comércio Exterior

Os Impactos do coronavírus no Comércio Exterior possuem pontos Positivos e Negativos. De acordo com o The Economist, mais de 50% do PIB mundial está em confinamento e consumidores desconfortáveis. Entretanto, ao compararmos com a reconstrução das grandes guerras e das grandes crises mundiais, a infraestrutura dos países afetados está preservada.

Batem à porta três tecnologias: blockchain, 5G. E inteligência Artificial. E aqui para nossa região o investimento em Lowtech será inevitável. Os recursos humanos que gerem empresas para concorrerem nesse ambiente terão que entrar definitivamente no século 21.

A tendência prevê aumento na demanda por internet 5G. – Aceleração do uso da Internet; Serviços de delivery; Uso de fintechs – Fim do uso de dinheiro em espécie; E-commerce – Quem não fazia, teve que começa a usar; Marketing digital – Se tornou item necessário; Agrotech.

Já os cargos mais valorizados na área de tecnologias são estão sendo o de Líder de Cibersegurança; Líder em Ciência de Dados; Especialista em Cloud; Especialista ou Analista de Infraestrutura e Redes; Analista de Cibersegurança; Analista de Suporte e Service Desk. Na área de COMEX destaco: Analista em Comércio exterior que entenda das ferramentas CRM, Dinamics e FENIX.

A transformação digital após a crise é fato

A mudança drástica do dia para a noite da “transformação digital” deixou de ser um tema de revista/palestras e virou caso de vida ou morte. Está acontecendo!

Estão sendo tirados do papel os planos para uso mais estratégico de dados para tomada de decisões rápidas e precisas, revisão de modelos de medição de canais, corte de desperdícios nas compras de mídia, comunicação mais customizada e pensada no usuário, entre outras ações.

É aí que a Economia Compartilhada e Economia Colaborativa entram com toda força. O consumo colaborativo permite a circulação contínua de produtos e serviços entre os indivíduos através do compartilhamento, troca, negociação, aluguel, empréstimo ou doação, promovendo o acesso à propriedade e reduzindo o desperdício. Isso em escala mundial: Exemplos: Uber, Airbnb, Rappi, 99, Ifood e etc.

Algumas lições aprendidas em meio a pandemia foram: inovação e tecnologia são grandes aliadas; Não estamos sozinhos: solidariedade, confiança e cooperação são requisitos para vencermos; A necessidade de preservamos mais o nosso meio ambiente, consumido de forma consciente; A ciência deveria prever e evitar crises e tem cumprido esse papel, mas nem sempre é ouvida; Bons hábitos de higienização pessoal e cuidado com o próximo para que eles possam prevalecer logo após a pandemia.

Oportunidades no Amazonas para empresas e empreendedores e links de acesso

O PEIEX é um programa gratuito oferecido pela Apex-Brasil para que sua empresa inicie o processo de exportação de forma planejada e segura. Em Manaus e Boa Vista, O PEIEX é executado em parceria com a FPF Tech – Fundação Paulo Feitoza.

https://portal.apexbrasil.com.br/qualifique-sua-empresa-peiex/

A Fundação Muraki, através do CETELI/UFAM, informa que estão abertas as inscrições para o processo seletivo simplificado para a participação no Programa de Capacitação de Recursos Humanos para o PIM

https://www.muraki.org.br/inscricoes-abertas-para-o-processo-seletivo-simplificado-para-participacao-no-programa-de-capacitacao-de-recursos-humanos-para-o-pim/

FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DO AMAZONAS – FAPEAM, convida pesquisadores vinculados às Fundações de Saúde com sede no Estado do Amazonas a apresentarem propostas para apoio a projetos estratégicos de desenvolvimento científico, tecnológico e inovação nas fundações de saúde com sede no Estado do Amazonas (PECTI-AM/SAÚDE).

http://www.fapeam.am.gov.br/editais/edital-n-o-0042020-pecti-amsaude/

Secretaria de Estado do Meio Ambiente – SEMA

Edital abre inscrição para selecionar organizações da sociedade civil que estejam aptas a executar estudos e programas voltados à conservação e proteção ambiental, sobretudo nas unidades de conservação (UC) estaduais.

http://meioambiente.am.gov.br/sema-lanca-edital-de-credenciamento-para-desenvolver-pesquisas-e-projetos-ambientais-em-unidades-de-conservacao/

InovativaBrasil: reuniu em seu site diversas oportunidades de recursos financeiros, desafios e outras iniciativas para startups que podem ajudar na batalha contra a COVID-19.

https://www.inovativabrasil.com.br/coronavirus/#recursos

SENAI Nacional lançou o Edital de Inovação para a Indústria financia o desenvolvimento de produtos, processos ou serviços inovadores, com o objetivo de aumentar a produtividade e a competitividade da indústria brasileira, além de promover a otimização da segurança e saúde na indústria.

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/canais/edital-de-inovacao-para-industria/conheca-o-edital-de-inovacao/

Olinda Marinho
Sou mestre em Turismo, Hotelaria e Planejamento Estratégico; possuo MBA em Comércio Internacional e Planejamento Estratégico; Administração em Comércio Exterior e Negociações Internacionais. Atualmente, dirijo e coordeno projetos focados em empreendedorismo da Amazônia. Sou presidente da Rede de Inovação e Empreendedorismo da Amazônia – RAMI, diretora da Marinho Soluções e Sistemas Integrados em Comércio Exterior, Scrumaster e Head de aceleração de times para estruturação e aceleração de startup. Também sou Membro da coordenação de CTI da FIEAM, Coordenadora do Núcleo PEIEX/APEX/AM/RR, diretora executiva da Aliança ABIO, coordenadora da Sub-Câmara de Empreendedorismo Jovem do CODESE, coordenadora do NAF-COMEX/SRFB – Região Norte. Ainda atuo como professora, mentora, palestrante futurista e agente de mudanças.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui