Dá pra acreditar que mesmo mantendo cerca de 14 milhões de desempregados no país, ainda tem gente pedindo demissão?  É verdade! Uma pesquisa do IBM Institute for Business Value (IBV) revela que um em cada 10 brasileiros consultados deixou o emprego espontaneamente em 2020! E, 31% dos entrevistados pretendem mudar de emprego em 2021. Difícil de acreditar que mesmo diante de um cenário de incertezas e nada positivo nos aspectos econômico e político, como temos acompanhado, pessoas estão se demitindo e por quê?

Flexibilidade

Tudo porque os funcionários buscam por mais flexibilidade de horário ou local para trabalhar. Dos que pediram demissão, 29% disseram que queriam mais flexibilidade para trabalhar remotamente ou mesmo ajudar nas atividades familiares; já 26% disseram buscar mais benefícios e suporte de bem-estar; e 23% confessaram que não tinham perspectivas positivas de crescimento na carreira ou segurança no emprego!

Em relação aos que querem mudar de emprego neste ano, as respostas incluem principalmente os seguintes motivos: 1-) 33% – aumento salarial ou promoção; 2-) 29% – mais benefícios e suporte para seu bem-estar; 3-) 27% – mudar de profissão; 4-) 25% – ter um trabalho com maior propósito e significado; e 5-) 23% – Síndrome de Burnout.

Prioridades

É uma movimentação corajosa, mas que espelha o desejo de mudança tanto na esfera profissional quanto na pessoal do indivíduo! Depois que a pandemia começou temos repensado as nossas prioridades e, nessa escala, muita coisa mudou de lugar, o que impacta na nossa forma de pensar, agir e buscar coisas novas, diferentes e outro estilo de vida. A vida ganhou um novo significado nesse período de pandemia!

Dificilmente hoje um funcionário quer trabalhar o dia inteiro numa empresa sem ver a luz do sol. Lógico que há pessoas que preferem esse modelo mais tradicional, porém, como percebemos pela pesquisa, a maioria das pessoas deseja viver de modo mais equilibrado, trazendo a família ou vivendo a dinâmica familiar também durante o dia (expediente)! Nem que seja em pequenos intervalos.

Qualificação

De acordo com a pesquisa, as pessoas também estão se preocupando mais com a carreira, pois 58% dos entrevistados pretendem estudar este ano, planejam fazer cursos de educação continuada; e 25% têm como meta fazer requalificação que inclui programas de graduação ou algum tipo de certificação. O importante é que as pessoas estão se dando conta de que é preciso se qualificar para o mercado de trabalho, cada vez mais disputado e com menos vagas de emprego disponíveis!

É importante ressaltar a percepção equivocada que o estudo mostra em relação à visão aposta entre empregados e empregadores. Enquanto 87% dos empregados acreditam ter as habilidades necessárias para atuação no âmbito profissional, 45% dos empregadores disseram que não encontram os profissionais com as habilidades necessárias. Para a realização desse estudo, foram ouvidos 14 mil adultos em todo o planeta.

Cristina Monte
Cristina Monte é jornalista, especialista em Comunicação Empresarial (Cásper Líbero), Responsabilidade Social (FUCAPI) e em Divulgação Científica em Saúde na Amazônia (FIOCRUZ-AM). Além disso, Cristina é graduada em História pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). É articulista-convidada e colunista da Coluna Mai$ Negócio$, do Jornal do Commercio e apresenta as notícias da Coluna no AmazonPlay TV Digital. Atualmente, além dos projetos mencionados, a jornalista atua como assessora de Imprensa, palestrante e estuda o curso de Coaching.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui