Ter um currículo recheado abre portas no processo seletivo, mas segundo a psicóloga Nayara Teixeira, da MAPA Avaliações, no atual momento de retomada do mercado de trabalho, as organizações estão procurando por profissionais com habilidades socioemocionais, tais como empatia, autoconfiança, persistência e assertividade.

“Essas habilidades fazem com que o profissional esteja mais bem preparado para adversidades no trabalho, assim como torna-o mais disposto entender e, portanto, se comunicar efetivamente com o cliente”, pontua Nayara, que explanou a motivação dos recrutadores na busca de tais características.

Habilidades socioemocionais requeridas

Habilidades socioemocionais são uma série de competências que os seres humanos possuem e usam para lidar com emoções, gerenciar metas e tarefas de vida e se relacionar com as outras pessoas.

A psicóloga aponta as principais delas que são buscadas no mercado de trabalho hoje.

Empatia: a capacidade de entender outra pessoa.

Segundo a psicóloga, no mundo corporativo, essa habilidade auxilia no entendimento das necessidades do cliente, gera funcionários mais dispostos e solícitos, prontos para atender e entregar o melhor.

Autoconfiança: habilidade de confiar em si mesmo.

Sua importância se dá pela necessidade de segurança num momento de alta instabilidade.

“Pessoas autoconfiantes sabem suas capacidades e limitações, trazendo segurança para o ambiente de trabalho”, analisa.

Porém a psicóloga faz um alerta. “Não podemos confundir autoconfiança com arrogância, pois uma pessoa arrogante se coloca acima das outras e isso não é interessante em uma equipe”.

Persistência: a qualidade de persistir e não abandonar.

“Nos tempos atuais, essa habilidade foi o que manteve muitos negócios funcionando e impediu muitas empresas de falirem”, coloca a psicóloga.

Para ela, essa habilidade implica novamente na questão da segurança, que vem sendo a principal meta dos recrutadores no cenário atual.

Assertividade: comunicação eficaz e posicionamento coerente aos princípios perante às pessoas e situações cotidianas.

De acordo com Nayara Teixeira, essa competência não está ligada ao que é certo ou errado literalmente, mas sim à maneira de expor e defender posições sendo fiel aquilo que acredita e efetivo em sua defesa.

“Ser assertivo é ser firme e direto mantendo-se fiel e agindo por princípios em defesa dos seus princípios e guiando a organização em pessoas no caminho da ética”, explica.

A psicóloga ainda defende que “manter um equilibro entre essas habilidades é a chave para uma boa carreira e desenvolvimento pessoal”.

Como desenvolver as habilidades socioemocionais?

Muitos fatores estão envolvidos no processo de desenvolvimento ou aperfeiçoamento de habilidades socioemocionais, dependendo muito dos tipos de relações que uma pessoa nutre, conhecimento sobre si mesmo, espaços sociais frequentados, família e grupos de amizade, no entanto, para Nayara, “o autoconhecimento e habilidade de identificar as próprias emoções é o principal fator para iniciar o processo de otimização das habilidades”.

Alguns processos sociais ajudam no processo de aquisição das competências, como a educação.

Pais e professores fazem parte do desenvolvimento pessoal de seus filhos/alunos, estimulando a busca por informações, crescimento em sociedade, e criação de metas, entre outros valores.

As vivências e experiências cultivadas ao longo da vida também fazem com que a pessoa aprenda a lidar com melhor com as emoções, buscando diferentes maneiras de lidar e expressar seus sentimentos e vontades.

“O momento que estamos vivendo, em que tudo é diferente do que era antes, é um momento, sobretudo, em que precisamos de segurança, e é isso que recrutadores estão procurando para oferecer às organizações através dessas habilidades requeridas dos profissionais,” conclui a psicóloga.

Por Nayara Teixeira, Psicóloga da MAPA

Fonte: Jornal Contabil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui