Home Educação Quais são as principais propostas de Bolsonaro para a educação

Quais são as principais propostas de Bolsonaro para a educação

363

Presidente eleito declarou pelo Twitter que irá priorizar a base “qualificando o ensino para capacitar e formar grandes profissionais no futuro”

Escola Sem Partido

ARGUMENTO A FAVOR
O argumento é evitar que o professor manipule as opiniões do aluno. Apoiadores citam que a “ideologia de gênero” estimula a pedofilia e a homossexualidade. Bolsonaro declarou que o Escola Sem Partido “é liberdade”. Bráulio Matos, vice-presidente do Movimento Escola Sem Partido e professor da Universidade de Brasília, declarou em entrevista que o projeto busca fazer o professor “se abster de conteúdos que possam estar em conflito com as convicções morais das famílias”.

ARGUMENTO CONTRA
Especialistas afirmam que “ideologia de gênero” foi um termo cunhado por quem não é da área. Dizem, também, que ensinar a alunos sobre igualdade de gênero e a tolerar diferentes orientações sexuais combate preconceito, violência contra a mulher e gravidez na adolescência, e que não há qualquer relação com sexualização ou pedofilia. Regina Madalozzo, coordenadora do mestrado profissional em Economia do Insper, em São Paulo, uma das autoras do documento do Iede, critica o Escola Sem Partido por “doutrinar para o outro lado”. Ela cita estudos internacionais mostrando que, quando o professor se isenta de uma discussão, prevalece o argumento dos alunos mais fortes sobre os demais.

Ênfase no ensino básico

ARGUMENTO A FAVOR
Bolsonaro declarou pelo Twitter que irá priorizar a base “qualificando o ensino para capacitar e formar grandes profissionais no futuro”. O argumento é que o Brasil gasta mal o dinheiro. No plano de governo, diz que é preciso “inverter a pirâmide” de aplicação de recursos – hoje, mais verba é aplicada no Ensino Superior.

ARGUMENTO CONTRA
Críticos afirmam que o Ensino Superior brasileiro recebe mais recursos, mas argumentam que a área é internacionalmente reconhecida por sua excelência. Telma Vinha, professora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e doutora em Psicologia e Desenvolvimento Humano, diz que o Ensino Superior “é uma das poucas coisas que estão funcionando, tanto na parte de ensino quanto de pesquisa para a ciência” e que a saída é investir mais no nível básico, sem retirar de outra área do ensino.

Ampliação da educação a distância (EAD)

ARGUMENTO A FAVOR
Bolsonaro defende ampliar a educação a distância (EAD) a partir do Ensino Fundamental (seis anos de idade) como “alternativa para as áreas rurais onde as grandes distâncias dificultam ou impedem aulas presenciais”. Diz também que EAD é uma forma de “combater o marxismo” em sala de aula e reduzir custos. O consultor de educação da equipe do futuro governo, Stavros Xanthopylos, nega que crianças dos primeiros anos do Ensino Fundamental terão aulas a distância e afirma que haverá “revolução digital no ensino”.

ARGUMENTO CONTRA
Críticos dizem que nenhum país com boa educação adota EAD desde o Ensino Fundamental e que a escola é importante também para socializar. Sérgio Franco, coordenador do curso de Pedagogia da UFRGS, alega que há “toneladas de estudos” mostrando que uma proposta como a de Bolsonaro não funciona. Acrescenta que, em áreas afastadas e mais vulneráveis, a ida à escola é ainda mais importante por “entrar em contato com um ambiente diferente do que o da própria casa”.

Reforço da educação militar

ARGUMENTO A FAVOR
O presidente eleito prometeu implantar ao menos um colégio militar por Capital nos primeiros dois anos de governo (hoje, há 13). O custo é de R$ 300 milhões. Também pretende implantar novamente as disciplinas de Educação Moral e Cívica e Organização Social e Política do Brasil, da época do regime militar. O objetivo é incentivar o respeito à autoridade do professor e desenvolver, nos alunos, ética e patriotismo.

ARGUMENTO CONTRA
O bom desempenho se deve, para críticos, pela valorização dos professores e pelo “vestibular” feito para selecionar alunos.  A ideia de formar pequenas ilhas de escola militar “é muito pouco efetiva, além de ser cara”, diz Telma Vinha, da Unicamp. Sobre a volta das disciplinas, a crítica é que, se tivesse dado resultado, a geração que hoje está no poder e se educou com tais conteúdos não estaria envolvida em corrupção. A solução, afirmam educadores,é aumentar o tempo de aula.

ARGUMENTO A FAVOR
A equipe de Bolsonaro cogita cobrar mensalidade de alunos com mais renda de universidades. Seria preciso alterar a Constituição. Relatório do Banco Mundial apontou que grande parte dos estudantes de universidades públicas do Brasil poderia pagar e defendeu cobrança para combater o rombo nas instituições. Coordenador de políticas do candidato à Presidência João Amoêdo (Novo), Diogo Costa não é apoiador de Bolsonaro, mas afirma que “a cobrança de mensalidade faz as pessoas mais ricas considerarem estudar em instituições privadas”.

ARGUMENTO CONTRA
Críticos dizem que o impacto financeiro da medida é mínimo e pode incentivar o governo federal a reduzir os repasses de verba ao Ensino Superior. Sobre o empreendedorismo, dizem que universidades públicas já contam com polos de inovação que, dentre várias pesquisas, também buscam resolver problemas da iniciativa privada. Sobre cobrar de estudantes de universidades públicas, Antonio Gonçalves Filho, presidente do Sindicato dos Docentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andes), argumenta que “cobrar mensalidade não vai resolver a questão orçamentária das universidades” e sugere realizar a reforma tributária para cobrar impostos dos mais ricos.

ARGUMENTO A FAVOR
Conforme lei sancionada em 1995, a escolha de reitor e vice-reitor é feita pelo presidente com base em uma lista de três nomes votados pela comunidade acadêmica. A equipe do eleito estuda optar por nomes com experiência em “gestão” e “administração”, sem vínculos com partidos de esquerda. Bolsonaro considera que as universidades estão aparelhadas por essas agremiações.

ARGUMENTO CONTRA
Críticos afirmam que a mudança fere a autonomia da universidade e que reitores são pessoas qualificadas, escolhidas pela comunidade acadêmica. “Já temos um rol de reitores que são republicanos. Ele quer transformar o cargo de reitor em cargo de confiança, como eram os interventores na época do regime”, diz Antonio Gonçalves Filho, presidente do Sindicato dos Docentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andes).

Fonte: Estadão

Cristina Monte
Cristina Monte é jornalista, especialista em Comunicação Empresarial (Cásper Líbero), Responsabilidade Social (FUCAPI) e em Divulgação Científica em Saúde na Amazônia (FIOCRUZ-AM). Além disso, Cristina é graduada em História pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). É articulista-convidada e colunista da Coluna Mai$ Negócio$, do Jornal do Commercio e apresenta as notícias da Coluna no AmazonPlay TV Digital. Atualmente, além dos projetos mencionados, a jornalista atua como assessora de Imprensa, palestrante e estuda o curso de Coaching.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ArabicChinese (Traditional)EnglishItalianJapanesePortugueseRussianSpanish
Close